CALENDÁRIO (67) 3331-1655
Atendimento: Seg a Sex - 12h às 16h

Planejamento Estratégico


PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO – PLANO DE TRABALHO

TRIÊNIO 2020/2022

 

  1. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

 

O planejamento estratégico é um instrumento da administração que envolve ações coordenadas destinadas a otimizar e maximizar os resultados da gestão. Adotado inicialmente na gestão privada foi adotado pela gestão pública, pautando na análise do quadro de gestão atual, caracterizando o diagnóstico de gestão e estabelecimento de metas e objetivos, firmando plano de atividades e ações para conduzir a administração ao padrão de excelência esperado e planejado.

 

A obra “Planejamento Estratégico e orçamentário” de autoria de Antônio Guindane [et al] (2012), conceitua o planejamento estratégico da seguinte forma:

 

Planejar é escrever o que se pretende para o futuro. É algo que deve ser definido pelas empresas para que estas possam traçar/delinear um caminho a ser seguido. Quando os empresários começam a colocar suas ideias no papel, tudo passa a ficar mais claro para a organização. Às vezes, é complicado entender o que alguns diretores/dirigentes querem dizer com tais ações. No entanto, quando estes começam a utilizar o planejamento de forma eficiente, eficaz e efetiva, essas ideias começam a ficar mais fáceis de serem entendidas e, por consequência, implantadas. (…) o objetivo do planejamento é fornecer aos gestores e suas equipes uma ferramenta que os municie de informações para a tomada de decisões (…) “planejamento pressupõe a necessidade de um processo decisório que ocorrerá antes, durante e depois de sua elaboração e implementação na empresa” e consiste em visualizar o futuro e procurar mensura-lo. (pág. 22-23)

 

Neste norte, realizou-se a construção do planejamento estratégico para atendimento das necessidades de gestão do CRMV-MS, envolvendo o processo de diagnóstico situacional, estabelecimento de metas e objetivos, construção da missão, da visão e dos valores do CRMV/MS, concluindo com a elaboração do plano de atividades destinadas à execução das ações para o triênio 2020/2022.

 

  1. DIAGNÓSTICO E ANÁLISE SITUACIONAL

 

Nesta etapa foi adotada a metodologia pautada na matriz de SWOT para análise das forças e fraquezas do ambiente interno e as oportunidades e ameaças do ambiente externo. Para otimizar os resultados foi adotada a divisão da gestão do planejamento em quatro eixos, sendo 1. Fiscalização, 2. Educação Continuada, 3. Gestão Pública e Governo Aberto e 4. Defesa de Prerrogativas.

 

  1. Fiscalização

 

Os colaboradores responsáveis pela análise do eixo “Fiscalização” concluíram que o conselho conta com pontos fortes pautados na qualidade da frota dos veículos oficiais do conselho, reconhecendo a eficiência na apuração de denúncias, além do cumprimento dos prazos estabelecidos em leis e regulamentos. Reconheceram o bom atendimento prestado aos profissionais e empresas no tocante à fiscalização.

A equipe identificou fraquezas consistentes na falta de treinamento dos servidores para realização do trabalho, deficiência na fiscalização das atribuições dos responsáveis técnicos, a deficiência dos instrumentos para fiscalização tal como tablet e sistema próprio para a fiscalização.

Apontaram ainda a deficiência ante a ausência de parceria com outros órgãos. Já sobre a fiscalização individual foi apontada a necessidade de fiscalização em dupla. Também foi dito que há falta de colaboração interna e ainda apontaram a necessidade que a fiscalização tenha mais qualidade na avaliação dos estabelecimentos, buscando verificar a estrutura física e os serviços executados.

Por fim, foi apontada a deficiência ante a ausência de metas em quantidade de fiscalizações, falta de motivação e a ausência de verificação sobre a falta de funcionários no setor. A equipe apontou ainda o desafio externo decorrente do alto número de judicialização que tem impedido a execução das atividades de fiscalização, tanto exclusivas do conselho quanto em conjunto com outros órgãos.

 

  1. b) Educação Continuada

 

O grupo de trabalho encarregado de discutir e avaliar o eixo correspondente a Educação Continuada identificou as forças do conselho ante a realização periódica de cursos de formação de Responsáveis Técnicos, a realização de solenidades de entrega de carteiras profissionais contendo palestras orientativas. Apontaram ainda a existência de guias técnicos no site, materiais educacionais, Código de Ética e informativos online.

Reconheceram como forças a existência do Manual de RT, com a ressalva que está desatualizado. Foram referidas ainda a realização de palestras esporádicas, atividades educativas em ambientes acadêmicos consistentes em simulação de plenárias e julgamentos éticos. Ressaltaram ainda o apoio financeiro e institucional promovido pelo CRMV/MS para a realização de cursos e eventos científicos voltados à medicina veterinária e zootecnia.

Dentro da análise o presente grupo de trabalho apontou como fraqueza a realização de cursos em poucas localidades do estado, com baixa abrangência e alcance de profissionais. Demonstraram a deficiência de estrutura do setor técnico voltado às atividades educativas e de formação continuada.

Ainda demonstrando as fraquezas o grupo apontou a deficiência de comunicação dos atos internos (Resultados das Plenárias, Resultados dos setores, Normativas Publicadas, Serviços Contratados, viagens e agenda institucional.) Apontaram a ausência de capacitação profissional e ausência de encontros regulares com servidores. Aponta-se ainda a falta de um canal direto com os profissionais para sanar dúvidas frequentes e deficiência na divulgação de publicações técnicas.

Quanto aos servidores foi apontada a falta de incentivo para a capacitação e valorização profissional.

No ambiente externo foram apontadas deficiências consistentes na ausência de atividades de inserção do conselho em ambientes educacionais (escolas de ensino fundamental, médio e superior), apontando ainda a baixa interação com as universidades para inclusão dos alunos.

 

  1. Gestão Pública e Governo Aberto

 

A equipe designada para tratar do tópico destinado a avaliar o eixo da Gestão Pública e Governo Aberto apontou, inicialmente, as potencialidades do conselho consiste na sua autonomia financeira e administrativa, na existência de uma sede própria, frota nova e moderna, existência de parcerias e convênios atrativos para o conselho tais como o “Novilho Precoce” e UNIMED.

Outro ponto positivo identificado foi a implantação da ART eletrônica, a disposição dos conselheiros em adotar condutas e comportamentos compatíveis com a gestão pública qualificada. Outro ponto apontado como positivo foi o PCCS – Plano de Cargos, Carreiras e Salários dos servidores.

Entenderam que é um elemento de força a campanha de recuperação de crédito realizada antes do envio da dívida para protesto, tendo produzido bons resultados para o conselho e satisfação por parte dos profissionais e demais jurisdicionados, tendo ainda como fator positivo o número de profissionais existentes no CRMV/MS.

Neste mesmo item foram apurados fatores entendidos como fragilidades do conselho, tendo sido apontada a falta de auditoria preventiva e controle interno enquanto estrutura do conselho, a deficiência de Controle de Processos Éticos Profissional e consultas no Sistema de Cadastro do CRMV/MS, o SISCAD.

Apontaram ainda a necessidade de implantação de um setor de Recursos Humanos, voltado para análise de gestão de pessoas avaliando a satisfação, a possibilidade de rodízio nas diversas funções do conselho e ainda a promoção de treinamentos e demais atividades educativas e de capacitação dos servidores.

Foi apontada ainda a necessidade de estabelecimento de metas para as atribuições dos servidores voltadas ao melhor desempenho do conselho. Existe ainda a necessidade de implantação de controle de almoxarifado, um sistema de consulta de pessoas jurídicas registradas com maior facilidade para a população em geral.

No mesmo norte, foram apontadas deficiências de recursos de pessoal e material para atuação efetiva do conselho, apontaram a falta de capacitação de servidores também no presente eixo.

Na presente análise o grupo de trabalho apontou a necessidade de atualização do Portal da Transparência, implantação da central de atendimento telefônico com distribuição de ramais aos setores e ainda a implantação de sistema para a digitalização e tramitação eletrônica dos processos.

Apontaram ainda o não cumprimento de prazos e demora na resposta envolvendo a avaliação dos servidores quanto a aplicação do PCCS, isto no tocante ao ambiente interno. No ambiente externo foram levantadas as dificuldades consistentes na deficiência no atendimento do público alvo do CRMV/MS e ainda o risco de não atendimento dos objetivos da gestão. Apontou a necessidade de otimização das respostas destinadas aos jurisdicionados.

Ainda na análise do cenário externo, foi apurado um grande risco decorrente da tramitação da PEC 108, onde o governo visa esvaziar as competências dos conselhos de fiscalização do exercício profissional, havendo grande necessidade de ampla discussão para minimizar os danos à sociedade.

Ainda na análise externa foi registrada a preocupação com as judicializações envolvendo o conselho com decisões isentando os jurisdicionados (pessoas jurídicas) de inscrição e contratação de responsável técnico, causando a violação das atividades privativas e danos à coletividade exposta à má prestação de serviços. Foi apontada também a fragilidade decorrente da concorrência com outras corporações profissionais, tais como o CREA/MS, o CRBIO, entre outras, que disputam postos de atuação dentro de áreas sombreadas do exercício profissional.

 

  1. Defesa das Prerrogativas

 

No tópico envolvendo a defesa das prerrogativas o grupo de trabalho encarregado apontou a dificuldade envolvendo a falta de posicionamentos do CRMV/MS quanto a atuação profissional, a necessidade de ampliar o conhecimento e domínio pela categoria das matérias protegidas por lei como atividades privativas do médico veterinário e zootecnistas conforme previsão legal.

Apontaram ainda a necessidade de fazer frente a uma busca pela atualização e modernização da legislação atual, fazendo enfrentamento especial à expressão “sempre que possível” contida na lei, haja vista que atualmente existe número adequado de profissionais no mercado, com plena capacidade de cumprir a função social da autarquia.

Apontaram ainda a falta de atualização do manual de RT voltado ao esclarecimento e reforço acerca das atividades privativas, essenciais e necessárias para a proteção do consumidor, da preservação da saúde e preservação do meio ambiente.

Apontaram como potencialidades a adoção das notas técnicas onde são divulgadas as atribuições vedadas aos demais cidadãos sem formação específica em medicina veterinária ou zootecnia, o que é fruto dos trabalhos produzidos pelas comissões técnicas do conselho, potencializando com a sugestão de promoção da divulgação de ações privativas existentes na lei para serem multiplicadas e compartilhadas por profissionais previamente capacitados.

Foram apontadas as potencialidades e possibilidades de melhoria com a ampliação do conhecimento sobre novas áreas de atuação, realização de palestras e cursos efetivos para alcançar o profissional. Sugere-se ainda a união com outros conselhos regionais com representatividade para estudar e debater a ampliação das competências privativas do médico veterinário e zootecnista especialmente na atividade comercial, especificamente pela lei tratar com a condição da possibilidade, devendo desembocar na proposição de alteração legislativa.

Uma grande ameaça identificada e registrada pelo grupo de trabalho foi a deficiência de posicionamentos do sistema CFMV/CRMV especialmente quanto a falta de conhecimento pelo profissional acerca da sua área de atuação já prevista em lei.

 

  1. METAS E OBJETIVOS

 

Após a realização do diagnóstico pautado na matriz de SWOT, passou-se ao estabelecimento de metas e objetivos, que servem de propulsão para a definição do plano de atividades que compõem o presente planejamento estratégico. A metodologia é idêntica à descrita no capítulo acima, sendo registradas a seguir na mesma ordem, respectivamente.

 

  1. Fiscalização

 

Neste tópico foi apontada a meta de fiscalizar com maior efetividade o exercício profissional, envolvendo tanto a atuação quanto a qualidade das estruturas onde as atividades profissionais são desempenhadas.

Fixou-se como meta a adoção de que possibilite o aumento e eficiência dos trabalhos da fiscalização, envolvendo parcerias com outros órgãos tais como a Receita Federal e Junta Comercial que possibilite o levantamento de todas as empresas abertas que estejam atuando nos ramos de atividade da competência de fiscalização do CRMV/MS.

Dentro do presente item foi sugerido a adoção de metodologia de registro das atividades do RT de forma eletrônica, onde todos os envolvidos conheçam as anotações realizadas no livro de RT, possibilitando a monitorização do conselho acerca do trabalho realizado pelo profissional e maior segurança do tomador dos serviços que terá um lugar acessível para tomar conhecimento de informações de seu interesse e voltados à segurança do negócio.

Ainda atendendo às metas e objetivos foi apontada a necessidade de reuniões mensais e periódicas para alinhamento das diretrizes e dos procedimentos adotados e executados pela fiscalização, com prévio planejamento das rotas administrativas antes de iniciar o deslocamento para atividades de fiscalização.

Apontou-se também a necessidade de estabelecimento de gratificação por produtividade voltada a atividades do conselho com análise e mensuração qualitativa e quantitativa, havendo a necessidade de dimensionamento das atividades de fiscalização, com a devida classificação dos entes fiscalizados, caracterizando pelo grau de complexidade envolvido para mensurar o tempo gasto efetivamente em cada fiscalização.

No tocante às metas e objetivos, com o intuito de facilitar a fiscalização e incluir a sociedade na responsabilidade de fiscalizar, estabeleceu-se a necessidade de produzir informativos no site e nas redes sociais de forma simples, rápida e acessível acerca dos procedimento que são proibidos nos estabelecimentos (Pet Shops, Consultório, Clínica) em decorrência de não oferecer segurança e efetividades nas atividades profissionais.

 

  1. Educação Continuada

 

O grupo de trabalho designado para analisar o eixo voltado à educação continuada apontou metas e objetivos consistentes em implantação do ensino na modalidade EAD para formação de responsáveis técnicos (Curso de RT básico). Apontaram também o objetivo de implantação do Curso Avançado específico de cada área com convênios e cooperação de Comissões do CRMV e órgãos técnicos da área (Embrapa, Universidades e MAPA).

Sugeriram a reestruturação do Setor Técnico com no mínimo 1 técnico médico veterinário, 1 zootecnista, 1 Administrativo e 1 estagiário (com seus suplentes), que possibilitaria potencializar as atividades e resultados esperados.

Sugere-se enquanto meta a elaboração de novos documentos técnicos, orientativos e de fácil disponibilidade aos profissionais (site), elaborar o novo Manual de RT, a reformulação da Resolução do apoio financeiro, incluindo a participação efetiva do CRMV e não apenas publicidade (espaço na programação).

Definiu-se ainda o objetivo consistente na criação de informes técnicos e periódicos através da parceria com instituições de ensino e pesquisa e de membros de comissões (trimestral ou mensal) digital.

Participar e Criar Projetos nas escolas para falar de saúde pública, posse responsável, zoonoses, atividades do médico veterinário e zootecnista através de convênios com universidades com projetos de extensão para teatros, material audiovisual, folder, palestras e visitas.

Na mesma linha, com objetivo de fortalecer a imagem institucional envolvendo projetos de extensão universitária e gincanas envolvendo assuntos pertinentes à medicina veterinária e zootecnia e o respectivo processo de formação de mão de obra profissional.

Define-se ainda o objetivo de capacitar periodicamente os funcionários na área de atuação onde são lotados e nas demais áreas para que tenham conhecimento do todo, atuando sempre de forma proativa e determinada a atender plenamente as atribuições institucionais do conselho, seja por meio de ações específicas e ainda com ajuda de grupos de motivação e integração entre os setores.

Através de todos as metas o CRMV objetiva promover a educação continuada de colaboradores e jurisdicionados para que seja possível prover de conhecimento e fortalecer servidores e a classe com foco na defesa e aperfeiçoamento constante, contínuo e permanente das atribuições institucionais do CRMV/MS e seu compromisso legal com a população Sul-mato-grossense.

 

  1. Gestão Pública e Governo Aberto

 

No tocante ao eixo responsável por tratar a Gestão Pública e Governo Aberto apontou a possibilidade de aperfeiçoamento da gestão por meio de implantação de registros de pessoa física e jurídica de forma online, com consequente cédula de identidade profissional na forma digital, otimizando e modernizando as ações do CRMV/MS.

O grupo de trabalho ainda apresentou a proposta de implantação da avaliação de atendimento prestado aos jurisdicionados, com a devida ampliação dos canais de comunicação por intermédio do whatsapp com informações acessíveis sobre prazos de recursos, débitos, inscrições provisórias e demais interesses dos jurisdicionados no CRMV/MS.

Foi apurado pelo grupo de trabalho a necessidade de estabelecer parcerias e convênios com a JUCEMS, Receita Federal, SPC e SERASA para otimizar o mapeamento de novas empresas atuantes na área de competência do CRMV/MS e ainda possibilitar o monitoramento sobre as empresas com atividades baixadas ou suspensas, servindo de base para disparar as atividades de fiscalização do conselho.

O grupo concluiu com a possibilidade de ampliar o campo de atuação do conselho por meio da adoção do CRMV Móvel, consistindo na aquisição e operação de um escritório móvel para que servindo de delegacia do conselho possa atender nos municípios do estado todos os jurisdicionados interessados, realizando inscrição e cadastro, negociações financeiras, cursos de RT, fiscalização e demais atividades educativas e de orientação à sociedade em geral e aos jurisdicionados.

Sugeriram ainda, para otimizar a gestão das atribuições do conselho, promover a fiscalização do cumprimento da exigência de anotação de responsabilidade técnica e demais regularidades, especialmente consistente na contratação de médico veterinário, para atender às ações profissionais protegidas pela privatividade legal.

O grupo de trabalho finaliza com a proposta de realização de apresentação das atividades e prestação de contas da gestão diretamente aos profissionais e demais jurisdicionados, como forma de priorizar a transparência e eficiência do conselho, tudo em atenção ao princípio da publicidade, uma das bases principiológicas que sustentam a administração pública.

 

  1. Defesa de Prerrogativa

 

O último grupo de trabalho apontou metas e objetivos com a missão de promover a defesa das prerrogativas profissionais do médico veterinário e do zootecnista, tanto no conflito com outras profissões quanto na disputa com pessoas leigas e sem habilitação legal.

As prerrogativas profissionais contempladas nos artigos 5º e 6º da Lei n. 5.517/68 e art. 3º da Lei n. 5.550/68, respectivamente do médico-veterinário e zootecnista. Para defesa das prerrogativas o grupo traçou metas e objetivos consistente na realização de campanhas de divulgação da importância da profissão com foco não apenas no profissional, mas ao público em geral, que direta ou indiretamente tem sua vida impactada pela assistência profissional prestada, despertando assim o valor enquanto capital simbólico no imaginário popular.

Na mesma linha apontaram estratégias de atuação em conjunto com instituições de ensino para promover a atuação profissional consciente e atualizada, democratizando e difundindo a importância da ciência veterinária e zootécnica para o público discente e sociedade em geral.

Foi apontada ainda a necessidade de ampla divulgação sobre as atividades privativas, tanto do médico-veterinário quanto do zootecnista, efetivando uma fiscalização presente e focada na defesa da atuação profissional e despertando no profissional a consciência do direito de exercer a profissão como um poder/dever, sempre atrelada à mais alta qualidade técnica e ética a ser mensurada e monitorada pela fiscalização oficial do conselho.

Foi sugerido ainda a produção de materiais parciais de defesa da atuação profissional, com produção de pareceres técnicos e resultados das discussões temáticas promovidas pelas Comissões Técnicas do CRMV/MS, empoderando e subsidiando o profissional na defesa das prerrogativas e das boas práticas profissionais.

Efetivamente foi pensada a criação de uma comissão técnica de defesa de prerrogativas profissionais composta por profissionais capazes de auxiliar colegas jurisdicionados na defesa de suas ações garantindo que sejam realizadas com plena observância dos preceitos éticos, legais, técnicos e científicos conforme preconizado pelo sistema CFMV/CRMV.

Criar frentes de discussão sobre o sombreamento com outras profissões em defesa da atuação do médico veterinário e zootecnista, dando interpretação às normas vigentes e aplicáveis ao exercício profissional, utilizando de todos os meios possíveis para potencializar as ações e resultados do conselho na defesa das prerrogativas, envolvendo o profissional e a sociedade por meio de audiências públicas, onde se possa documentar as discussões e conflitos apresentados e, porventura, superados, sem prejuízo do estabelecimento de parcerias com outros órgãos visando a consolidação e ampliação da atuação do profissional.

 

  1. Missão, visão e valores do CRMV/MS

 

A definição dos conceitos institucionais de missão, visão e valores são essenciais para a confecção e implantação do planejamento estratégico, onde se fez o diagnóstico situacional que apontou as forças e fraquezas, bem como as oportunidades e ameaças.

Num segundo momento apurou-se as metas e objetivos, neste documento compreendidas como o lugar onde se busca chegar enquanto gestão estratégica. Para fazer a transição do ente identificado no diagnóstico para o ente idealizado nas metas e objetivos é preciso estabelecer a política e filosofia de gerenciamento e atendimento aos objetivos e metas propostas.

Neste sentido, faz-se necessário firmar os conceitos para internalização nos colaboradores e jurisdicionados, para que, sendo orgânicos, auxiliem e iluminem o caminho que será trilhado, o que foi definido conforme segue.

 

  1. Missão:

 

Assegurar o exercício profissional de excelência voltado à proteção da sociedade através da normatização, orientação e fiscalização para promoção e proteção da saúde pública, do meio ambiente e bem-estar animal.

 

  1. Visão:

 

Atuação de forma eficaz visando o reconhecimento da profissão junto à sociedade por meio da excelência nas ações de normatização, fiscalização, orientação e valorização profissional dos médicos veterinários e zootecnistas.

 

  1. Valores:

 

  • Excelência no cumprimento da função social;
  • Responsabilidade institucional;
  • Sustentabilidade e respeito ao meio ambiente;
  • Governo Aberto: transparência, gestão participativa, responsabilização e inovação;
  • Ser referência em se tratando de ética e deontologia profissional;
  • Monitoramento, controle e ações corretivas.

 

 

PLANO DE ATIVIDADES

 

1)        FISCALIZAÇÃO

 

– Implantar livro de fiscalização online;

– Parceria com outros órgãos (Receita Federal e Junta Comercial);

– Reunião Mensal;

– Aumento da fiscalização;

– Implantar gratificação por produtividade (qualidade);

– Desenvolver aplicativo para o setor de aplicação.

 

 

2)        EDUCAÇÃO CONTINUADA

 

– Criar plataforma para fazer cursos de RT online;

– Organizar, estruturar e planejar cursos avançados de RT em diversas áreas, encontros e eventos;

– Reestruturar o setor técnico do CRMV-MS;

– Planejar, criar e divulgar documentos técnicos, orientativos;

– Atualizar e publicar manual de RT (através de resolução);

– Reformulação da Resolução de apoio financeiro para ampliar a participação do CRMV nos eventos/encontros técnicos;

– Criar e introduzir informes técnicos científicos;

– Firmar convênios com restituições de ensino, órgãos de pesquisa como MAPA, EMBRAPA, IAGRO, Universidades para auxiliar nas atividades técnicas;

– Criação do CRMV jovem;

– Instituir embaixadores do CRMV nas universidades;

– Criação projeto CRMV nas escolas;

– Ampliar participação e cooperação CRMV X Universidades com cedência de estagiários, atividades de extensão para desempenho das atividades em geral;

– Promover capacitação aos funcionários tanto na atividade específica de trabalho como geral no tocante aos assuntos motivacionais e trabalho em equipe;

– Propor calendário de eventos promovidos pelas comissões assessoras;

– Fazer convênio com instituições de envio/entidades promotoras de capacitação para oferecer benefícios aos registros e servidores (descontos em pós/divulgação e desconto eventos).

 

 

3)        GESTÃO PÚBLICA E GOVERNO ABERTO

 

A curto prazo

 

– Melhoria da comunicação interna;

– Melhoria no SISCAD (Aba PEP/Fiscalização);

– ART eletrônica – melhoria;

– Gestão estratégica;

– Parcerias com JUCEMS, Receita Federal, SPC;

– Implantação do setor de RH;

– Parcerias com outros órgãos fiscalizadores, IAGRO, Vigilância Sanitária, MAPA, Cartório.

– Estabelecimento de metas por setor;

– Implantação do novo plano de cargos e salários.

 

A médio prazo

 

– Adquirir o sistema do jurídico e almoxarifado;

– Digitalização de processos;

– Transparências;

– Controle interno de documentos e processos;

– Maior celeridade nos processos;

– Aprimorar o setor de cobrança;

 

A longo prazo

 

– Intensificar a fiscalização;

– Dar mais visibilidade as ações do conselho, mostrando a importância do conselho.

– Melhorar o atendimento e infraestrutura;

– Contratação de novos funcionários;

– Realizar concurso público;

– Incentivo de ganho dos funcionários por produtividade;

– Capacitação dos servidores;

– Desenvolver modernos processos operacionais e adotar novas tecnologias para dinamizar a atuação dos servidores do CRMV;

– Marketing voltado para o profissional;

– Central de atendimento.

 

 

4)        DEFESA DE PRERROGATIVA

 

– Divulgação da importância da profissão;

– Atuar junto as Instituições Educacionais para promover o corpo de atuação profissional atualizada;

– Reafirmar as atribuições privativas com fiscalização;

– Produzir parecer técnico e ações das comissões técnicas;

– Criação de comissões de defesa de prerrogativas;

– Influência/normatizar exercício de profissão ante outros órgãos;

– Audiência Pública;

– Estabelecer parcerias em outros órgãos visando a ampliação da atuação do profissional.

 

Equipe CRMV-MS reunida para discutir o Planejamento:

 






Ver galeria de fotos

Ver galeria de vídeos

Ver galeria de podcasts